Empresário que foi sócio de Huck está preso, suspeito de operar para MDB

Resultado de imagem para

Roberto Rezinski e sua atual mulher, Wanda Grandi

Italo Nogueira
Folha

A lista de amigos e sócios do empresário Roberto Rzezinski, 50 anos, inclui o apresentador Luciano Huck, o empresário Alexandre Accioly e o ex-jogador Ronaldo. O Ministério Público Federal investiga se também faz parte do rol de parceria algum político do MDB. Rzezinski foi preso na quinta-feira (dia 3) sob suspeita de ter recorrido ao esquema de Vinicius Claret e Cláudio Barbosa, delatores da Operação “Câmbio, Desligo”.

Segundo o controle de transações da dupla, Robertinho, como é conhecido, e o irmão gêmeo Marcelo trocaram, entre 2011 e 2017, US$ 12 milhões de dólares depositados em contas no exterior por reais em espécie no Brasil.

CONTAS DISCRETAS – Cláudio Barboza afirmou em seu depoimento que, ao realizar as operações, Rzezinski ressaltava que as contas em que fazia os pagamentos no exterior deveriam ser “discretas” para não colocar em risco seu cliente. “Em mais de uma oportunidade, Roberto comentou com o colaborador que o seu cliente era do MDB”, diz o depoimento do doleiro.

De acordo com os registros, as operações variavam entre US$ 100 mil e US$ 800 mil. Elas se intensificavam em anos eleitorais, apontam os dados.

O pai de Roberto, Jorge, era cliente de Mordko Messer, considerado o primeiro grande doleiro do Brasil. Foi com “sr. Messer”, como se referem ao polonês, que Roberto Rzezinski fez sua primeira operação de câmbio: trocou US$ 35 mil que recebeu de presente em seu bar-mitzvá (cerimônia quando um menino judeu completa 13 anos). Na adolescência Roberto conheceu Dario Messer, que herdou a fortuna e os clientes do pai e se tornou uma espécie de banqueiro de Claret e Barboza.

ACCIOLY E HUCK – Rzezinski enveredou no mercado financeiro. Investiu também na academia Bodytech, com Accioly, e numa empresa de venda online de ingressos, com Luciano Huck.

A Empresa Brasileira de Distribuição de Ingressos foi alvo de uma comunicação do Coaf por movimentação suspeita, indicando vários depósitos em espécie em setembro de 2009 com valores abaixo de R$ 50 mil que, somados, totalizaram R$ 500 mil. Suspeita-se que os depósitos fracionados foram feitos para burlar os controles das autoridades.

Ele reencontrou Huck no mundo dos negócios em 2014, quando trabalhou na Joá Investimentos, principal empresa do apresentador. Desligou-se no ano seguinte.

VIDA AGITADA – A vida social de Robertinho também era agitada. Velejador, seu casamento com Wanda Grandi, ex-assistente de palco de Huck, reuniu empresários e famosos no Copacabana Palace em 2010. Eles se separaram dois anos depois –atualmente é casado com Jade Carvalho, neta de Carlos Carvalho, dono da Carvalho Hosken.

Ele conheceu o ex-governador Sérgio Cabral, preso desde 2016, por meio do filho do emedebista João Pedro. Foi também colega de Eduardo Paes (MDB) na juventude.

Em depoimento à Polícia Federal, Rzezinski declarou “que nunca prestou qualquer serviço a partido político ou a órgão público”. Ele disse que não esteve com Cabral a partir de 2007, ano em que o emedebista assumiu o governo.

DESPESAS PESSOAIS – O empresário disse aos agentes que vendia os dólares para Barboza “para custeio de suas despesas pessoais” com o dinheiro que recebia. Ele afirmou que as transações com o doleiro “não ultrapassaram US$ 1,1 milhão, já que a medida que as operações eram realizadas, o dinheiro ia acabando”.

Rzezinski afirmou que manteve contas em Luxemburgo e Suíça, cujos valores têm como origem “comissões referentes a taxa de administração mais performances de clientes indicados a fundos de investimento”.

Huck afirmou, via assessoria, que a empresa de ingressos tinha muitos sócios e ele não era controlador, nem gestor da firma. “Avalio com tristeza as denúncias contra o Roberto Rzezinski. Nossa relação é de longa data e para mim ele sempre foi um empresário e empreendedor. Nunca tive conhecimento de qualquer outra atividade dele”, disse Huck.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.