Sem a prisão dos assassinos, a imagem da intervenção militar vai se deteriorar Posted on março 19, 2018 by Tribuna da Internet

Resultado de imagem para general braga netto

Braga Netto está diante de seu maior desafio

Por Pedro do Coutto

Ontem, ao ler os jornais, me deparei com três matérias importantes: a prioridade do general Braga Netto, a reportagem da Folha de São Paulo sobre as maiores empresas devedoras de tributos e a afirmação do presidente Michel Temer. publicada pelo Estado de São Paulo, de que está disposto a ir as urnas disputar a reeleição. Escolhi a que está no título. Deixo as outras duas para a edição de amanhã terça-feira.

Os jornalistas Ruy Castro, Folha de São Paulo, e Élio Gaspari, O Globo, edições de ontem, focalizaram com destaque o desafio colocado à frente do general Walter Braga Netto, interventor federal exatamente na segurança do Rio de Janeiro. O governador Luiz Fernando Pezão é um omisso. O prefeito Marcelo Crivella distancia-se das investigações, mesmo que pouco pudesse oferecer para as elucidações.

O VÉRTICE – Mas Pezão e Crivella são outros ângulos do problema. O vértice encontra-se à frente do General Braga Netto, inclusive porque, se não conseguir prender os assassinos da noite de quarta-feira, estará com sua tarefa sensivelmente prejudicada e sua imagem salvadora afetada.

Não faltam indícios. Há filmes sobre os carros que transportaram e deram cobertura aos assassinos, sinistros espectadores, portanto, do acionamento do gatilho mortal. Foram identificadas as origens das munições adaptadas a pistolas de uso exclusivo de forças de segurança nacional. Se essas armas e munições chegaram às mãos dos carrascos, tem que haver uma explicação clara e convincente. Explicação capaz de iluminar o roteiro que percorreram de 2006 até 15 de março de 2018. Indícios, portanto, que devem encontrar-se à disposição do interventor.

OS ASSASSINOS – Faltam, entretanto, informações sobre os vultos desumanos que praticaram a execução do crime planejado e bastante premeditado. Todos eles se transformaram nos arquitetos de duas mortes.

Marielle Franco estava marcada para morrer, o mesmo não se podendo afirmar quanto ao motorista Anderson Gomes. Ele parece ter sido vítima do acaso, já que não era o motorista que servia de modo efetivo à vereadora. Estava substituindo o titular, que, por motivo de saúde, não pôde naquela noite encontrar-se com as mãos ao volante.

Por um desses acasos do destino, nem o motorista do carro, nem a vereadora, tampouco a assessora a seu lado, perceberam que o automóvel estava sendo seguido no trajeto mortal a que se destinava.

INFORMANTES – Não vão faltar, como sempre, os informantes anônimos, personagens eternos das tramas policiais. É preciso, no entanto, que o general Braga Netto analise os informes para que não se deixe envolver em qualquer teia possível de sabotagem.

Se houve planejamento para a morte, não há de faltar planejamento também para a ocultação dos assassinos. A quem interessava o desaparecimento de Marielle? Esta é a pergunta clássica que consagrou ao longo da história a figura emblemática de Sherlock Holmes. Ponto de partida para o desvendamento dos crimes de sangue. Há de haver múltiplos interessados no desfecho do crime. Mas entre esses alguns terão mais motivos para explodir a lei do que outros. Uma questão de prioridades.

A LÓGICA – Não estou querendo com isso conduzir investigações, até porque não tenho conhecimento das sombras que repousam nas mentes e nas mãos de assassinos profissionais. Mas existe a lógica que funciona em todas as situações humanas. Saber usá-la como instrumento de descoberta é um dos caminhos mais claros e curtos para chegar aos assassinos.

Esse desafio foi colocado à frente da mesa de trabalho do general Braga Netto. Deus o ajude na tarefa de dissolver as sombras e apresentar os criminosos e mandantes de uma violência trágica a mais na ampla história do crime no Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta