Marun e a defesa da quadrilha, o insulto ao juiz e a inversão de valores

Só numa republiqueta bananeira sai absolutamente impune um deputado federal e ministro de Estado que, utilizando a estrutura do cargo que ocupa no palácio do Governo, faz uma ameaça pública e frontal a um juiz da Suprema Corte que o investiga e investiga sua quadrilha por farta corrupção.

E logo Carlos Marun, um sujeito envolvido em casos escabrosos de corrupção, desde a época em que era participante ativo do esquema montado pelo ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli, que nos dizeres da Polícia Federal, comandava uma verdadeira ‘organização criminosa’, operante em diversas áreas da administração pública.

O deputado segue beneficiado pelo ‘foro privilegiado’. Puccinelli recentemente foi preso, mas acabou conseguindo um Habeas Corpus e está solto, por enquanto. Seu destino fatalmente será cruel.

Esta semana foram presos o empresário João Amorim, braço financeiro da quadrilha, e o ex-deputado federal Edson Giroto, articulador malévolo e, assim como Marun, ex-secretário de Puccinelli.

Portanto, é lamentável, repugnante e incompreensível ver Marun, travestido de autoridade, atacar e ameaçar um ministro do STF.

É a mais absoluta inversão de valores.

É a lama!

JCO(Com informações de Helder Caldeira)

Deixe uma resposta