Para Deltan, Congresso é mais perigoso que favela e pode ter mandados coletivos

Declaração foi feita em redes sociais

Procuradores são contra intervenção

Procurador da Lava Jato disse que cabe busca e apreensão em gabinetes do CongressoMarcelo Camargo/Agência Brasil

Por AMANDA AUDI

Os membros da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba se manifestaram contra à intervenção federal na segurança do Rio. O coordenador dos procuradores na operação, Deltan Dallagnol, disse que deveriam haver mandados de busca e apreensão coletivos, como vem sendo defendido pelo Ministério da Defesa, também nos gabinetes do Congresso.

“Aliás, as evidências existentes colocam suspeitas muito maiores sobre o Congresso, proporcionalmente, do que sobre moradores das favelas, estes inocentes na sua grande maioria”, escreveu ele em sua conta no Twitter.

Colega de Deltan, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima publicou nesta 4ª feira (21.fev.2018) 1 artigo na Folha de S.Paulo no qual se posiciona contrário à medida de segurança.

“Pensar que a questão possa ser resolvida por um ‘ippon’, para usar a infeliz analogia do nefasto plano Collor, é ilusão de políticos pensando em candidaturas improváveis ou de ingênuos crentes em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa”, diz trecho do artigo. Deltan replicou a opinião de Santos Lima em suas redes sociais.

Em outro post, Santos Lima questiona a proposta de retirar R$ 204 milhões da segurança pública. “Mais uma comprovação de que o governo toma decisões sem qualquer estudo ou análise, agindo em ziguezague na esperança de uma reeleição improvável.”

O DECRETO

O decreto já está em vigor desde a última 6ª feira (16.fev.2018), quando foi assinado pelo presidente. Foi aprovado pela Câmara e o Senado na 2ª e 3ª feira.

O texto dá poder para que o interventor nomeado, o general Walter Souza Braga Netto, administre forças de segurança locais. Ele comandará a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e a administração do sistema carcerário do Rio.

Os militares têm poder provisório de polícia. Poderão patrulhar e revistar pessoas, por exemplo, mas ficarão impedidos de prender sem autorização da Justiça.

Deixe uma resposta