Nova cartada para dar o poder a FBC

Articulado pela executiva nacional, integrante do MDB em Pernambuco entrou com nova ação para tirar Raul Henry da presidência estadual

 Por Aline Moura – Diario de Pernambuco

Os dois grupos do MDB de Pernambuco correm contra o tempo para desfazer a imagem de que montam castelos de areia (ao sabor do vento e da maré) em pleno ano eleitoral. A menos de dois meses do prazo-limite para novas filiações partidárias, o presidente nacional da sigla, Romero Jucá, nomeou o ex-ministro João Henrique para ser o relator de um novo pedido de dissolução do diretório estadual, presidido pelo vice-governador Raul Henry. A proposta tem outros argumentos – não revelados oficialmente – e passará por um novo trâmite.

O objetivo de Jucá é afastar Raul e o deputado federal Jarbas Vasconcelos do comando da legenda estadual, passando o bastão para o senador Fernando Bezerra Coelho.

A disputa saiu do campo político e virou pessoal para todos os envolvidos. Bezerra articulou a intervenção antes de entrar na legenda, Raul chamou o senador de “traidor” e Jarbas acusou Jucá de “crápula”.

O novo pedido de dissolução do diretório teria sido feito por um integrante do MDB do município de Cupira chamado Gilberto Lopes, aliado de Fernando Bezerra Coelho. Segundo informações de bastidores, na nova matéria, ele apresentou argumentos diferentes da primeira para impedir uma outra disputa jurídica, ação articulada junto à cúpula nacional. Ela teria excluído, por exemplo, a questão de insuficiência partidária, que deu margem para Raul Henry se defender, uma vez que o MDB cresceu 128% na eleição de 2014. E mencionado a instabilidade jurídica que tomou conta do partido, em pleno ano eleitoral.

Jucá não foi localizado para falar sobre o novo pedido até o fechamento da edição nem o advogado que representa a legenda, Renato Ramos. Raul Henry, por sua vez, optou por se preservar, diante de tanta polêmica. Ele, no entanto, compareceu à reunião da executiva nacional em Brasília, onde o assunto foi discutido por cerca de 10 minutos.

Jucá encaminhou o pedido de dissolução ao novo relator e Raul mencionou o papel histórico do MDB estadual, o que vem sendo ignorado. João Henrique é ex-ministro dos Transportes do governo Fernando Henrique e ex-deputado federal pelo Piauí. Ele integra o grupo emedebista contrário à aliança com o PT no estado piauiense e muito ligado a Jucá e ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Foi cotado para ser ministro de Temer recentemente e disse: “Não posso dizer não ao presidente”.

Segundo informações de bastidores, a cúpula nacional resolveu partir para uma nova ofensiva por entender que, no Tribunal de Justiça de Pernambuco, o primeiro pedido de dissolução estava comprometido. Caso contrário, Romero Jucá não teria dado encaminhamento a outro e escolhido um relator de sua confiança. No dia 19 de janeiro, o desembargador Eduardo Sertório Canto voltou a impedir a dissolução do diretório do MDB de Pernambuco. A iniciativa, na ocasião, foi contra os interesses de FBC, que pretende concorrer ao governo de Pernambuco, mas está com os planos parados em virtude da disputa jurídica.

O impasse, aliás, que tem causado dores de cabeça em todos os candidatos que pretendem concorrer às eleições pelo partido, sejam eles ligados ao grupo do senador ou a de Raul Henry. Os dois times descartam pensar em plano “B”, mas o prazo eleitoral corre independentemente das palavras ditas. E são poucos dispostos a pensar em castelos de areia até o fim de março, quando ondas altas estão a caminho.

Deixe uma resposta