Povos de matrizes africanas pedem afastamento de Michele de comissão

Ato pediu afastamento da vereadora da presidência da Comissão de Direitos Humanos

Ato pediu afastamento da vereadora da presidência da Comissão de Direitos HumanosFoto: Divulgação

Representantes de diversas nações de candomblé e de oito terreiros de Pernambuco se reuniram, nesta quarta-feira (21), na Câmara Municipal, em mais um ato de protesto contra as declarações de preconceito religioso da vereadora Michele Collins (PP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa. O protesto é realizado pela Rede de Articulação da Caminhada dos Terreiros de Pernambuco.

Durante o ato, os participantes apresentaram um documento para ser distribuído em todos os gabinetes dos vereadores solicitando uma audiência pública e o afastamento de Michele Collins da presidência do colegiado. O protesto, iniciado por volta das 7h, começou em frente à Câmara. O grupo, de cerca de 30 pessoas, também seguiu para o gabinete da vereadora, que fica na Rua da União.

No local, realizaram um xirê – uma roda de cânticos e dança praticados pelos povos de matrizes africanas. Em seguida, os represententes das nações de candomblé voltaram à Câmara de Vereadores. De acordo com Francisco Neto, assessor de comunicação da Rede, o grupo foi recebido pelo vereador Ivan Moraes Filho (PSOL), que indicou os gabinetes para que pudessem entregar o documento.

De acordo com informações da Rede de Articulação da Caminhada dos Terreiros de Pernambuco, o grupo não foi recebido pela vereadora Michele Collins, alvo do ato de repúdio, ou por outra pessoa do seu gabinete.

Mãe Elza, que é da Coordenadoria Estadual de Igualdade Racial e do Conselho de Igualdade Racial, citou as ações tanto a nível local quanto a nível nacional de promoção de igualdade racial. “A gente tem hoje reconhecidamente um conselho estabilizado, um fórum de gestores institucionalizado, um programa de combate ao racismo institucional que vai ser lançado agora em maio a nível estadual. Ou seja, os pernambucanos têm todas as ferramentas de combate ao racismo que é caracterizado um racismo religioso. E foi isso que a gente veio acompanhar”, afirmou.

MPPE

Nesta quinta-feira (22), representantes da Rede estarão no Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para prestar esclarecimentos acerca de denúncia que levou o órgão a instaurar inquérito civil para apurar os fatos.

Outro lado
A assessoria da vereadora se limitou a comentar sobre o inquérito civil instaurado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A assessoria informou que somente na segunda-feira (19) recebeu de fato os documentos do órgão, e que o setor jurídico está analisando o material. E que, através dos meios legais, vai responder aos questionamentos do MPPE.

Com informações de Geraldo Moreira, da Rádio Folha- Folhape.

Deixe uma resposta