O Carnaval político

Uma nova política da repressão aparece ao lado da politização expansiva e bem-humorada

Por Joel Pinheiro da Fonseca

A política está sambando na avenida. Não consigo me lembrar de uma escola ridicularizar um presidente de maneira tão direta quanto a Paraíso do Tuiuti fez com o vampiro neoliberalista, cuja reforma trabalhista seria uma reedição da escravidão. Discordâncias políticas e econômicas à parte, é sinal de liberdade de expressão que se possa falar mal do governo Temer publicamente sem receio de intimidação; algo que definitivamente não era o caso sob Dilma.
Afinal, se há uma ocasião em que toda zoeira com o poder deveria ser permitida e até incentivada, é no Carnaval. De máscaras de Lula e Gilmar Mendes a gritos de Fora Temer, o escracho não pode ser reprimido. Ele reflete o fim de qualquer crença na política institucional; sentimento que, embora talvez impotente para colocar manifestantes na rua, pode aflorar como brincadeira no Carnaval.
Ao lado da politização expansiva e bem-humorada vem também uma nova política da repressão. Não é o governo, mas movimentos da esquerda identitária que ameaçam reprimir a alegria e a criatividade popular na hora de pensar fantasias. A causa que os move é banir fantasias que ofendam membros de minorias. Da noite para o dia, fantasias tradicionais (índio, muçulmano, japonês, nega maluca e até mulher) foram proscritas.
… Não consigo me lembrar de uma escola ridicularizar um presidente de maneira tão direta quanto a Paraíso do Tuiuti fez com o vampiro neoliberalista, cuja reforma trabalhista seria uma reedição da escravidão.
A ativista indígena Katu Mirim lançou no sábado (3) a campanha #ÍndioNãoÉFantasia, em que diz que se fantasiar de índio é racismo. E se é uma índia falando, temos que acatar, não é? Ela tem lugar de fala. O contraponto veio na sexta-feira. A empreendedora e também ativista indígena Ysani  Kalapalo fez outro vídeo, dizendo que, ao contrário, para ela isso é visto como homenagem; no seu povo eles se sentem felizes e valorizados. Indígenas, como todo ser humano, pensam cada um de um jeito.
Penso que mais relevante do que saber se alguém se ofende com uma fantasia (há ofendidos para tudo) é saber se é razoável se sentir ofendido. Parte-se da premissa de que a única reação possível a uma versão meio estereotipada de uma categoria a que se pertença seja a ofensa mortal. A veneração solene vira então a única postura aceitável perante a diferença. Por isso, que cada um fique no seu quadrado.
Essa atitude não une os diferentes; ela afasta. É o exato oposto da atitude brasileira padrão: imitar o diferente em clima de brincadeira. Não seremos mais um povo cheio de variedade, e sim negros contra brancos, homens contra mulheres, índios contra brancos, etc.
O humor que não busca humilhar —e que aceita ser provocado de volta— não é ferramenta do ódio, e sim antídoto. É podendo incorporar ludicamente as diferenças alheias num clima de leveza que elas deixam de ter o peso da discriminação. Na alegria partilhada, e não na militância sisuda, residem nossas melhores chances de superar as barreiras do preconceito.
Não: a fantasia de Carnaval não é uma tese de doutorado que distingue as particularidades de cada cultura indígena; também não é uma correção de injustiças sofridas pelos antepassados de índios e negros. É só um dos jeitos que pessoas comuns encontram para brincar com o que é diferente e, brincando, se aproximarem.
Dito isso, se você ainda estiver preocupado e quiser ficar 100% a salvo dessa censura que vem de baixo, vale a regra da nova militância: não se fantasie de nada que você não seja.
Bom fim de carnaval!

Joel Pinheiro da Fonseca –  É economista formado pelo Insper e mestre em filosofia pela USP. Escreve às terças na Folha de SP.

Originalmente publicado na coluna do autor, na Folha de S. Paulo, 13 de fevereiro de 2018

Deixe uma resposta