Os rituais e as cores do maracatu rural; grupos se encontram esta segunda

Maracatu Águia Dourada em Nazaré da Mata

Maracatu Águia Dourada em Nazaré da Mata Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco
Por Tatiana Notaro – Folha de Pernambuco

São 16 maracatus em Nazaré da Mata, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, e todos estarão no Encontro de Maracatus Rurais, nesta segunda-feira (12). Somando com os grupos de municípios vizinhos, serão em torno de 80 no evento. A concentração começa às 8h, no parque dos Lanceiros, na entrada da cidade, e segue até a frente da Catedral Nossa Senhora da Conceição. “Tentaram até implicar com o padre, que abriu as portas da igreja para os maracatus, mas nós não somos, também, filhos de Deus?”, diz o presidente do Águia Dourada, Edilmo Luiz de Freitas. Cada mestre terá 15 minutos, mas o tempo sempre se estende. A festa entra pela madrugada da Terça-Feira Gorda.

Maracatus rurais saem com mais de cem integrantes, entre caboclos de lança e de pena, baianas, mestres, ternos (os instrumentos – surdo, caixa, gonguê, mineiro ou xique-xique e porca ou cuíca), rei, rainha, dama, valete e, na frente, a burra, a Catita e o Mateu – explica Edilmo. Assim é a formação do Águia Dourada que, neste 2018, completa 10 anos; uma criança perto do homenageado do Carnaval de Nazaré, o Cambinda Brasileira, que festeja seu centenário.

“A gente foi se virando, tocando em várias cidades, fazendo sambadas. Estamos na série B do Carnaval do Recife, mas estamos querendo subir para a série A, se Deus quiser e a Virgem Maria”, diz.

Maracatu exige muito tempo, dedicação e um tanto de dinheiro. Uma gola de caboclo de lança pronta, para venda, custa R$ 400 (a que estava sendo feita no momento da reportagem, levava 43 mil pecinhas: 23 mil lantejoulas e 23 mil miçangas). Um quilo de “penas de puma” custa R$ 800, mas um brinquedo desses movimenta em torno de R$ 30 mil por ano. Se o dinheiro fosse dividido igualmente pelos integrantes, média de cem pessoas, cada uma receberia R$ 300.

Maracatu Águia Dourada em Nazaré da Mata

“A gente não diz ‘pagamento’, diz ‘dar o guaraná’. Ano passado arrecadamos R$ 28.520 no Carnaval, mas quando pagamos tudo – pessoal, comida, carro e costureiras -, ficou R$ 10 de caixa. Infelizmente, maracatu não é mais um brinquedo de amor, é um brinquedo de negócio”, diz Edilmo. Maracatus são “associação sem fins lucrativos”, não pagam impostos, exceto quando se apresentam para o governo e precisam “pagar as notas fiscais”.

Mas o mais importante é o cunho religioso que todo maracatu tem, segundo Edilmo. O brinquedo respira preceitos de religiões de raízes africanas e todo o preparo exige rezas, banhos, devoção e resguardo. “A calunga (a boneca levada por uma das baianas) representa Iemanjá, a força do maracatu está nela, fazemos um ritual para ela. A baiana que a carrega também faz ritual. Depois, ninguém mais pode tocar nelas”, explica o presidente.

Membros de outras religiões tam¬bém podem integrar o grupo de maracatu, desde que respeitem as regras. Um dos antigos diretores se afastou porque se converteu ao evangelho, conta Edilmo. “A gente vai, primeiro, pelo gostar. Se deixa de brincar, fica um vazio. Mas se deixa e chega na rua e vê um maracatu passar, chora, adoece”, diz. “Nazaré é maracatu o ano todo, a gente só para na Quaresma. Os mais velhos diziam que não era bom fazer festa nessa época.”

A vestimenta de um caboclo de lança é composta por chapéu, gola, cravo (que chega a passar de sete a oito dias sob banhos e rezas), uma ceroula e a lança. Nada disso pesa se o trabalho de reza for bem feito, diz o presidente do Águia Dourada. “Através desses guias, ele passa os três dias sem sentir o peso, fome e sede.”

Maria José da Silva, 63 anos, é uma das baianas do Águia Dourada há quatro anos, mas integra a agremiação desde que tinha 14. “Desfilo porque gosto. Sou católica e não participo dos rituais do maracatu. Nunca me aconteceu nada (das ‘quizilas’ que, contam, acontecem com quem não cumpre os rituais). Mas toda vez que saio no desfile, despejo uma cerveja para a minha pomba-gira”, conta.

 

Deixe uma resposta