Deixe um comentário

O balcão de negócio das CPIs, denunciado por Joesley

Resultado de imagem para cpi charges

(chargedodiemer.blogspot.com)

A entrevista de Joesley Batista não se limitou às acusações contra Michel Temer e seu grupo, que o empresário definiu como “a quadrilha mais perigosa do Brasil”. Ele também deu uma aula sobre o financiamento ilegal de campanhas e a máquina de fazer negócios nas CPIs.

As comissões parlamentares de inquérito sempre foram um circo, mas já ajudaram a combater a corrupção. Recentemente, reduziram-se a fábricas de novos escândalos. Em outubro, o ex-senador Gim Argello foi condenado a 19 anos de prisão por cobrar propina de empreiteiras em duas CPIs sobre a Petrobras.

Segundo Joesley, a engrenagem se profissionalizou em 2015, quando Eduardo Cunha assumiu a presidência da Câmara. “Aí virou CPI para cá, achaque para lá. Tinha de tudo”, contou à revista “Época”.

QUEM DÁ MAIS? – O delator ilustrou a história com um relato em primeira pessoa. Ele disse que Cunha o ameaçou com a abertura de uma comissão para investigar empréstimos à JBS. “É o seguinte: você me dá R$ 5 milhões que eu acabo com a CPI”, propôs o ex-deputado, de acordo com Joesley.

O empresário disse que recusou o acordo, mas Cunha não deu o braço a torcer. “Seu concorrente me paga R$ 5 milhões para abrir essa CPI”, teria respondido o peemedebista.

Joesley é um criminoso e não deveria estar solto, mas sua delação pode ajudar a desmontar uma máquina de chantagem parlamentar. Só na gestão Cunha, cinco CPIs mereciam ser revisitadas: da Petrobras, do Carf, do BNDES, dos fundos de pensão e até do DPVAT, o seguro dos automóveis. Um deputado que integrou a comissão do Carf garante que a investigação encontrará muitos Argellos. Ele diz que os procuradores poderão pedir adicional de insalubridade.

 

Bernardo Mello Franco
Folha

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: