Deixe um comentário

Temer diz que governo estuda ampliar faixa de isenção do IR

Presidente afirmou que conversas ainda estão em ‘fase inicial’ e não deu detalhes. Em entrevista a rádios, ele também falou que só votará reforma da Previdência se conseguir os votos necessários.

IMG_1548.JPG
Por Gustavo Aguiar, G1

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (15) que o governo federal estuda promover uma correção na tabela do Imposto de Renda para ampliar a faixa de isenção do tributo. Segundo o presidente, o tema ainda está em fase de “conversa inicial”.

Durante entrevista a rádios regionais, o presidente foi questionado sobre novas medidas que o governo estuda adotar para a economia e sobre se a correção da tabela do IR seria uma delas.

Sem dar detalhes, respondeu: “O governo fez uma primeira análise para ampliar a faixa de isenção. Ainda é uma conversa inicial”.

Em outro momento da entrevista, ele voltou a falar sobre o assunto ao ser questionado sobre se a proposta em estudo seria dobrar a faixa de isenção do IR – neste ano, a faixa de isenção foi de R$ 1.903,98.

Nesta segunda, uma reportagem do jornal “Valor Econômico” afirmou que o governo preparava a proposta para tentar neutralizar um eventual impacto negativo causado pelas propostas de reforma trabalhista e da Previdência.

“Houve uma fala sobre a possibilidade de aumentar a faixa de isenção. Aqui, no Planalto, cadeiras e mesas têm ouvidos. Não há isso concretamente [dobrar a faixa]. Eu aprecio muitíssimo. Seria bom? Seria bom. Alcancaria uma margem de trabalhadores que seriam beneficiados. Mas é uma coisa complicada e foi fruto de uma breve fala que as paredes comentaram”, afirmou.

Tida como a principal medida econômica do governo, a reforma da Previdência também foi assunto na entrevista. Ao ser questionado sobre quando o governo considera melhor votar a proposta, Temer respondeu que só levará o tema ao plenário quando tiver a certeza de que terá os votos necessários para aprová-la.

Por se tratar de uma emenda à Constituição, a proposta precisa de, pelo menos, 308 votos dos deputados para ser aprovada. Nos últimos dias, o governo intensificou as negociações para garantir que o texto passará na Câmara.

“É claro que o governo apreciaria votar isso o mais rapidamente possível. Mas temos também critérios para fazer essa avaliação. Cada lider de cada partido está levantando nome por nome proque não adianta ter 290 votos e levar para o plenário. Você só leva para o plenário se tiver 320, 330 garantidos para assegurar os 308 votos necessários”, disse.

Temer acrescentou ainda que considera que o governo terá todos os votos entre a última semana de maio e a primeira de junho.

Questionado sobre uma eventual dificuldade de conseguir apoio ao texto, o presidente negou que o governo tenha “errado na dose” ao propor uma reforma previdenciária muito dura.

“Não errou [na dose]. Nós fizemos uma reforma que imaginávamos que pudesse perdurar por 30 anos. Mas sabíamos que, chegando ao parlamento, haveria objeções e sugestões. Isso ocorreu com muita naturalidade. Pode ser que daqui a dez anos seja preciso fazer outra. Mas o nosso presidencialismo é democrático. O relator colheu as sugestões e eu dei autorização para negociar”, concluiu.

Delações ‘fantasiosas’

Temer também chamou de “fantasiosas” as acusações de ex-executivos da Odebrecht de que teria negociado propina de US$ 40 milhões ao PMDB – partido do qual Temer faz parte e que presidiu antes de assumir o governo. O depoimento veio a público em abril, quando o sigilo das delações foi levantado.

“Eu sentado numa cabeceira em reunião… US$ 40 milhões de reais é muita coisa. São coisas fantasiosas, mas que pegaram. isso tem de ser apurado ao longo do tempo”, afirmou Temer sobre a delação. Ele pediu paciência para “deixar o Judiciário trabalhar” verificando as informações prestadas nos depoimentos.

O presidente falou ainda sobre o conteúdo da delação dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura, que trabalharam nas últimas campanhas petistas à Presidência, incluindo em 2014, quando ele foi eleito vice na chapa encabeçada por Dilma Rousseff.

Para Temer, não se pode incriminar a ex-presidente, que foi citada em diversos trechos pelos delatores. “Não é quem delata quem condena”, defendeu.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: