Prisão de Funaro assusta Temer, Gedel e Cunha

O Palácio do Planalto está em alerta máximo nesta sexta-feira, desde a prisão do empresário Lúcio Funaro, braço direito do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O interino Michel Temer já sabe que, se Funaro vier mesmo a fazer uma delação premiada, ele terá que demitir novos ministros, além dos já derrubados Romero Jucá, Fabiano Silveira e Henrique Eduardo Alves.

O primeiro alvo seria Geddel Vieira Lima, que cuida das relações do Palácio do Planalto com o Congresso. Isso porque Geddel é, assim como Cunha, um dos políticos mais próximos a Funaro.

A preocupação, no entanto, não se restringe a ministros do PMDB. Funaro conhece todos os segredos do PMDB – o que envolve, obviamente, o próprio Temer.

Não por acaso, Funaro tinha como advogado Antônio Cláudio Mariz, amigo pessoal de Cunha, que chegou a ser cogitado para o Ministério da Justiça. No entanto, dias atrás, Funaro trocou Mariz por Antônio Figueiredo Basto, especialista em delações premiadas.

De acordo com a delação premiada de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica, o esquema capitaneado por Cunha gerou propinas de pelo menos R$ 15,9 milhões pagas por empresas favorecidas com repasses do FI-FGTS, um fundo formado por recursos dos trabalhadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.