POEMA

    Poetisa Cassandra Alpoim

BEIJA-ME

Cassandra Alpoim

O seio nu só tem na imaginação a rosa
tudo o que tiraste foi lingerie
encheste-me de beijos
indícios de ouro na pele que te reclama
na tela que tu pintas com desejo
este é o ritual do amor
o olhar que despe e as mãos executantes
olha-me nos olhos sente-me tremer
esvaída nos teus braços
és belo

beija-me sempre ao amar-me
eu farei o mesmo poro a poro
diz-me palavras ardentes
esse fogo que te incendeia e nos eleva
a água das nossas bocas é uma
o ar parece rarefeito
instigas todos os sonhos voamos
é uma ascensão amorosa
liberta de medos salta a chama
deitada na cama

inundados de prazer
olhamos-nos ternamente dizemos
em silêncio tantas palavras
beijo-te os olhos de um intenso verde
beijas-me suavemente os lábios
temos o sabor um do outro
tempo de cigarro e de novo
nasce o caudal nos corpos sedentos
assim é o despertar mágico
entre beijos sensuais escaldantes

há o animal e a doçura
num misto ritmado dançamos
subimos e descemos por curvas e pernas
os braços inquietos e as mãos que massajam
festejam músculos e o pubis recebe-te
soltos gemidos mansos
e solta-se o freio e apressados
partimos de novo o caminho é um só
o auge do prazer diferenciado
o encontro ansiado

não nos largamos e sorrimos
quanta cumplicidade
nos beijos e no ritmo
exacto dos novos
amantes.

In Versos Decantados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.