A pauta agora é 2016

De Marisa Gibson, na sua coluna deste domingo no Diario de Pernambuco:

Reaproximações entre políticos adversários, colocando ponto final em desavenças antigas, apontam sempre para uma grande articulação política. Pois bem, os deputados federais Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Sílvio Costa (PSC) passaram a se reunir com frequência nas últimas semanas. Apesar de um ser crítico ferrenho da presidente Dilma e do outro ser vice-líder do governo na Câmara, as conversas dos dois têm sido frequentes nos gabinetes e jantares em Brasília. Pelo visto, os atritos do passado ficaram pra trás.

Pois é, todos os pernambucanos, até mesmo os que têm memória curta, sabem que, quando deputado estadual, Sílvio Costa fez uma oposição ferrenha ao então governador Jarbas Vasconcelos, que respondia aos ataques à altura. Os dois sequer se cumprimentavam. Hoje, Silvio diz que, se tivesse conhecido o ser humano Jarbas Vasconcelos, jamais teria tido aquele posicionamento, e repete com frequência que o maior erro na sua vida pública foi um discurso duro que fez na tribuna da Câmara dos Deputados contra o então senador peemedebista.

Jarbas, claro, sente-se reconfortado com as palavras de Sílvio e, sempre que tem oportunidade, retribui as palavras elogiosas do colega. Esse movimento, guardada as devidas proporções, é semelhante ao processo de reaproximação entre Eduardo Campos e o próprio Jarbas quando, depois de anos de troca de acusações, se uniram numa aliança, considerada impensável tanto para socialistas como para peemedebistas. A união entre Eduardo e Jarbas foi em função de um projeto nacional – a candidatura presidencial do ex-governador – e a consequência imediata foi o apoio do peemedebista à candidatura de Geraldo Julio em 2012.

Agora, a pauta é 2016. Embora, não aparente, há uma ebulição em torno da sucessão municipal do Recife, que será um teste para o PSB pós-Eduardo. Jarbas não é um político de muita conversa  e Sílvio, mais ousado, fala pelos cotovelos. Agora, apesar das diferenças, ambos conhecem bem a cena política de Pernambuco e do Recife.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.